Dando continuidade a nossa conversa sobre a Jornada do Empreendedor, irei falar sobre mais quatro desta emocionante aventura. Após descobrir quem é seu inimigo (problema que sua startup resolve) e encontrar seus aliados (sua equipe) chega a hora de tirar as ideias do papel e começar a transformá-la em um negócio de verdade:

 VALIDAÇÃO

No modelo criado por Joseph Campbell, “o ventre da baleia” é o mesmo momento onde o herói encontra seus inimigos e aliados e passa por testes. O ventre da baleia também é uma época de confronto consigo mesmo, seus medos, angústias e limitação. Passando por isso o herói se desenvolve e amadurece. No nosso modelo eu associei o ventre da baleia há um passo seguinte, ao momento de VALIDAÇÃO, pois, neste momento é onde o empreendedor irá lidar consigo mesmo.

É um momento muito difícil para empreendedores iniciantes e para novas equipes, porém, caso passem por esta etapa, sairão mais maduros e preparados para enfrentar o que vem a seguir. Aqui eles terão que sair de sua zona de conforto e ir em busca de possíveis clientes para validar se a solução proposta por eles é realmente boa. É bem provável que não seja. Quando isso acontece, muitos empreendedores desistem por serem apegados a ideia e muitas equipes racham. Por isso é um momento de tensão, assim como nas histórias.

MVP

Para validar a sua ideia, a equipe precisará desenvolver um MÍNIMO PRODUTO VIÁVEL. Ou seja, a formato mais rápida e simples de sua ideia, porém, que já mostre o máximo de valor que ela oferece ao cliente. Pode ser que este valor não seja exatamente o que o cliente quer e algo precise ser mudado, chamamos isso de “pivotar”. Ou seja, mudar a direção que o negócio seguia anteriormente.

No momento de pivotar podemos fazer mudanças no produto/serviço, mudar o público alvo, ou mudar os dois. O importante é aprender com tudo o que acontece de certo e principalmente de errado. Na Jornada do Herói esta seria a “caverna oculta.” Aqui o herói chega a fronteira de um lugar perigoso onde está o objeto de sua busca (No nosso caso, sua startup). Esta etapa é precede o momento mais perigoso para o nosso herói…

OPERAÇÃO

“A provação suprema.” A provação suprema é o momento crítico nas histórias. O herói enfrenta a possibilidade de morte. Nesse caso quem pode morrer é sua startup e com ela, talvez seus sonhos (no caso dos empreendedores que ainda não se acostumaram com o gosto do fracasso). Aqui é onde começam a aparecer os primeiro clientes (early adopters) e quando pivotar ainda é uma possibilidade (na verdade sempre é). Mas aqui o maior desafio é lidar com a gestão de uma empresa que agora é real. Lidar com clientes, fornecedores, parceiros, equipe, possíveis investidores e todos os problemas que esses grupos trazem. Realmente é o momento supremo onde o aspirante a empreendedor se torna um empreendedor (ou não).

PRODUCT MARKET FIT

Joseph chama este momento de “recompensa.” Após sobreviver à morte, derrotar o dragão e salvar a princesa, o herói e o espectador têm motivos para celebrar. O herói, então, pode se apossar do tesouro que veio buscar, sua recompensa. Pode ser uma arma especial, um símbolo como o cálice graal, ou ainda simplesmente o ganho de experiência, sabedoria e/ou reconhecimento. No nosso caso, o que é empreendedor encontra no fim do arco íris é o product/marketi fit, isto pode ser traduzido em algo como: o produto certo para o mercado certo. Ou seja, sua startup encontrou algo que as pessoas realmente querem comprar, conseguiu encontrar as pessoas que pagam por isso e já está faturando. Neste ponto você vai dizer: “EU CONSEGUI.”

Semana que vem eu contarei o final desta saga, pois nossa historia ainda não acabou. Iremos descobrir como o herói volta com a sua recompensa ao seu lugar de origem e como o empreendedor entra em um período de crescimento e expensão de seu negócio.