Como você pode ver em nosso texto sobre o ecossistema de startups no Brasil, o cenário nacional ainda não é o ideal, mas mesmo assim, o empreendedorismo vem crescendo e se desenvolvendo muito por aqui. As pessoas começam a creditar que essa é uma carreira viável como as outras mais tradicionais, a mídia da mais atenção ao assunto pois percebe que existem mais pessoas interessadas no tema. Eventos para startup como o Startup Weekend, Circuito Startup, Startup Farm, tem feito sucesso por todo o país, comprovando que um número cada vez maior de pessoas possuem um real interesse de ingressar nesta área.

Mesmo com as pessoas buscando conhecimento e participando destes eventos, a taxa de mortalidade entre startups permanece extremamente alta, muitas pessoas estão entrando rápido neste mercado e saindo mais rápido ainda. Muitas idéias surgem, porém poucas se traduzem em negócios reais que sobrevivem no mercado.

E isso não está acontecendo somente com as startups que começam por conta própria. Algumas startups (vistas as com mais possibilidade de se tornarem lucrativas) tem acesso a mentores e investidores através dos disputados processos de aceleração, e mesmo assim, muitas dessas não estão conseguindo se estabilizar.

Mas porque isso acontece?

Percebemos que a grande maioria das startups que fracassaram, careciam de algo básico e extremamente importante, UM BOM TIME. Não somos só nós que temos essa visão, muitas pessoas do ramo também estão chegando a essa mesma conclusão. Isso porque o time é o coração da startup. Eis alguns papéis do time:

  • É o time que vai ter a sensibilidade de entender as necessidades de um certo grupo de pessoas e deve ter a capacidade de entregar algo que supra essa necessidade através de um produto ou serviço.
  • É ele quem vai pegar um simples ideia, e transformar aquilo em um startup duradoura e lucrativa.
  • É quem vai enfrentar todos os maus momentos da startup.

Por isso ele precisa ser bem construído, pois ele é a base de sustentação da startup e não importa o quão boa seja a construção de algo, sem uma boa sustentação tudo desaba.

Ter um time motivado para tirar uma boa ideia do papel não é o suficiente. Muitas equipes começam assim (acredito que a maioria, poucos entram com “má vontade”), porém os problemas durante o percurso vão minando o time. São problemas que praticamente todas as startups enfrentam, mas a minoria de fundadores está pronta pra passar por isso.

Problemas como: Quais serão as porcentagens de cada um, ou falta de alinhamento de expectativas em relação ao futuro do negócio, ou mesmo quando a inicial é invalidada (acredite, isso acontece com praticamente todas as startups) as pessoas querem simplesmente desistir.

O Colisões é para quem?

Na foto que ilustra o post, está (da esquerda para direita) Carlos Carneiro (X4 Start), Vinícius Machado (X4 Start) e Luiz Fernando Gomes (Lotebox) numa das primeiras reuniões onde estávamos trocando ideias sobre como criar algo para ajudar os empreendedores. Criamos o Colisões por identificar essa necessidade de novos empreendedores de desenvolver seu potencial individual e também como criar um time forte. Queremos ajudá-los a ter a equipe da sua startup misturando espírito de equipe, resiliência, competência, capacidade de execução e empatia e sensibilidade para que os membros se compreendam.

Este empreendedor precisa compreender que as coisas não são tão simples quanto parecem. Precisa ainda desmistificar alguns “mitos do empreendedorismo” e contar algumas verdades que gostaríamos de ter ouvido no inicio de nossa jornada. E por mim precisa ouvir sobre coisas importantes que as vezes são deixadas de lado por quem começa uma startup, como gestão e vendas.

Criamos este site e o curso porque acreditamos que os empreendedores precisam ser melhor preparados para empreender. Uma vez bem preparados geram bons times e, bons times criam boas startups. Desenvolver empreendedores é o primeiro passo para desenvolver e expandir todo o ecossistema de startups e empreendedorismo no país.